Conto: Em meio ao nevoeiro

Lá estava ele, tomado por lagrimas, enquanto via sua amada partir.
A beira mar, pés sob a areia molhada pela chuva, que pareciam completar suas lágrimas.

Ela ia desaparecendo em meio ao nevoeiro, que engoliu tudo à sua frente.

Nós não podíamos ficar juntos – ele pensava.
Nós enfrentaríamos as barreiras – ele dizia.

Enquanto ainda ouvia-se o roncar do motor do barco, ele pensava em todos os momentos felizes em que viveram, pensava no amor que sentia por ela, pensava apenas nela. Mas ela teve de partir, mas ela teve de acompanhar os pais – que ainda traçavam seu caminho.

Ainda nos veremos – ele gritou.

Enquanto suas lagrimas se confundiam com as gotas melancólicas da chuva, ele olhava atentamente para o horizonte nublado à sua frente, desorientado, sentou-se ao chão, e viu um pingente em formato de coração, caído sob a areia.
Pegou-o e viu o nome de sua amada, apertou firme e colocou dentro do bolso da camisa.

Enquanto seu coração estiver próximo ao meu, sempre estaremos juntos – ele falou.

A dor da distância.

Antigamente, amigo era aquele que estava sempre ao seu lado, apoiando, criticando, ajudando. Era aquele que saia com você, que ia à sua casa e etc. Mas hoje, a amizade expandiu-se e rompeu as barreiras da aproximação. Mas isso é uma coisa boa?

A maior parte das pessoas hoje passa grande parte do dia em frente de um computador, principalmente os adolescentes. Com isso em mente, as pessoas criaram as redes sociais, que serviriam como meio de comunicação rápida entre amigos, mas também como forma de fazer novos amigos.

Mais e mais pessoas foram aderindo a essa idéia de relacionamento, e com isso, foram fazendo vários amigos, por toda parte do país, e até do mundo.

A amizade cresce, fica fora de controle, ou fora do nível aceito para uma amizade "falsa", que era apenas para se resumir a internet. Logo, já tratamos o novo amigo como o melhor - trocamos segredos, criamos planos...

Então, após meses de conversas a distância, bate aquela vontade de ter a pessoa ao seu lado, para sentir realmente a presença dela diante de você, saber como ela realmente é. Com isso, vem a tristeza de não poder ter a pessoa ao seu lado, com uma pitada de raiva, por várias vezes a amizade virtual ser mais amiga do que a amizade "real". 

O problema se torna ainda maior, quando o que era apenas uma amizade, se torna amor. Você ama uma pessoa que nunca viu, nunca tocou, nunca sentiu o cheiro ou o calor, nunca abraçou nem beijou, nunca nem esteve a 10 metros de distância. Mas você a ama, não importando as barreiras, você sabe que sente algo maior pela pessoa, maior do que uma simples amizade virtual.

Você sonha todos os dias em estar ao lado da pessoa, mesmo que ela more a muitos quilômetros de distância. Você sonha com o dia em que correrá para os braços dela, em que tudo parecerá em câmera lenta. Você sonha, mas o sonho acaba virando uma carta trancada em um baú, do qual você perdeu a chave. A chave no caso seriam todas as barreiras que impossibilitam a realização do sonho, como idade, dinheiro, etc, etc e etc...

Então, amizades virtuais são maravilhosas, mas ao mesmo tempo, machucam. Machucam por não podermos estar ao lado dos novos amigos - que são melhores do que amigos reais. Mas apesar de tudo, você sabe que poderá contar com a pessoa, não importam as circunstancias, ela estará ali, todos os dias em que você olhar seus contatos online, ela estará te esperando, estalando os dedos para começar a conversar com você por horas e horas...

Enquanto não inventam uma maquina de teletransportes, isso fica apenas nos sonhos. Mas quem sabe, algum dia, você encontre pessoalmente seu amigo virtual? E quem sabe, seu amor virtual? Esse que poderia, talvez, ser o amor da sua vida...
Ocorreu um erro neste gadget